-->

Anuncio!

Como a criptografia mudou o percurso da humanidade

 

Para os leigos, Criptografia é uma área da Criptologia que tem por objetivo deixar uma mensagem legível somente para seu destinatário. Dessa forma, terceiros mal intencionados não podem compreender as informações, mesmo que tenham posse da mensagem. Acontece que um usuário comum de internet faz uso de uma criptografia complexa todos os dias,  mas de forma simplificada e natural. Nosso objetivo não é destacar esses lugares, e sim apontar com exemplos como a criptografia mudou o percurso histórico da humanidade.

Sempre existiu a necessidade de se trocar mensagens secretas, seja por reis, rainhas ou generais da antiguidade. Como essas mensagens eram importantes e determinantes, surgiram pessoas interessadas em descobrir as informações originais, chamados hoje de Criptoanalistas. Antes de começar nosso giro histórico vale destacar também a estenografia, que compreende a técnicas para esconder a mensagem em si. Um dos primeiros relatos de uso da estenografia foi nas histórias de Heródoto, onde raspavam a cabeça de um grego, tatuavam a mensagem secreta e esperavam até que o cabelo crescesse. Depois o enviavam para o lugar desejado, onde o destinatário raspava e lia a mensagem em sua cabeça. Um processo um tanto quanto custoso que foi revolucionado rapidamente também pelos gregos que viviam em solo Persa. Eles conseguiram transmitir uma mensagem através de tabuas de madeira cobertas de cera, avisando sobre a invasão que estava sendo planejada pelo rei Persa Xerxes.

Nesse momento você deve estar pensando que a estenografia pode ser de certa forma uma técnica arriscada. Já que se a mensagem for descoberta, ela poderá se facilmente entendida. Por isso em diversas situações pode ser interessante aplicar as duas técnicas. Vamos agora entrar na essência desse artigo, Como a criptografia mudou a história.

Vamos começar com a Primeira Guerra mundial. Naquela época usavam uma cifra conhecida por ADFGVX, obtida com uma combinação de técnicas de substituição e transposição. Os Aliados tinham um criptoanalista chamado Georges Pavin  que depois de muitos fracassos conseguiu decodificar a cifra e trazer vantagens escabrosas durante a guerra contra Alemanha. Nesse ponto vale até lembrar o trecho de Sun Tzu que diz : "Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas". Outro acontecimento extremamente importante foi o "Telegrama Zimmermann", nele estratégias de guerra Alemãs revelavam um possível acordo com o México. A interceptação e decodificação do telegrama provocou nada mais do que a entrada dos Estados Unidos na primeira guerra.  Nesse primeiro exemplo vemos então por de baixo dos panos como a criptografia e os decifradores interferiram em um confronte que normalmente só é apresentado com tiros e bombardeios pela indústria cinematográfica.

O segundo acontecimento é um pouco clichê e já foi até destacado no filme "O jogo da imitação". Estamos falando da Segunda Guerra mundial, de novo contra os Alemães. O destaque nessa época foi a Enigma, máquina criada por Arthur Scherbius e mais tarde redesenhada pelo governo Alemão. Essa máquina usava cifra simétrica com o diferencial de troca na chave para dificultar a decodificação. A equipe inglesa liderada por Alain Turing foi responsável por quebrar a cifra e mudar novamente o rumo da guerra. Ao final desse segundo exemplo podemos nos distrair dizendo que mais uma vez a Alemanha foi traída pela confiança na criptografia.

Vamos falar agora do aspecto político da criptografia. Zimmermann, aquele criptoanalisa citado acima, foi o responsável por criar um programa chamado PGP, do ingles Pretty Good Privacy. O impacto foi tão grande quando o programa foi divulgado na internet que Zimmermann foi acusado pelo governo americano, que o inclui nas categorias de armas e munições, alegando que software podia ser usado também por criminosos e terroristas(PGP).

Outro nome importante que não podemos esquecer é  Giovan Batista Belaso, que foi o criador da cifra Vigenère. Por muito tempo Blaise de Vigenère levou a fama pela invensão, porém mais tarde um livro de Giovan descrevia a técnica.  Até  1750, diversas mensagens secretas na Europa foram enviadas usando essa criptografia. Novamente ela foi quebrada, dessa vez por Babbage e Kasiski.

Esses três fatos históricos servem apenas para ilustrar de forma simples que diversos fatos históricos sofreram influência da criptografia, estenografia e dos decodificadores ou criptoanalistas. Hoje quando enviamos uma mensagem no WhatsApp, quando acessamos um site qualquer ou enviamos um e-mail, estamos em contato com códigos de criptografia que são constantemente aperfeiçoados. Esse é um assunto que pode perdurar até o fim da humanidade, e pode ser um divisor de águas em um século dominado pela tecnologia e pela internet. Para aqueles que se interessaram no assuntou vou deixar um material complementar que aborda de forma detalhada o assunto.

Livro Cypherpunks

Telegrama Zimmermann

Artigo 

 

 

 


 
Compartilhar:
← Anterior Proxima → Inicio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Sites Parceiros

Anuncio No Post

Anuncio No Post

Anuncio Aqui!